Pular para o conteúdo principal

A SOCIEDADE DE MENTECAPTOS

Por Genaldo de Melo
Com os acontecimentos recentes aonde o governo mais impopular da história da República brasileira aprova no Congresso Nacional tudo o que apresenta, orientado pelos financiadores do golpe que colocaram o mesmo na presidência, definitivamente inferimos que formamos na grande maioria uma sociedade de mentecaptos.

Alguns trabalhadores que deveriam lutar para que seus direitos mais elementares não sejam retirados na base da força política de conservadores que abandonaram a narrativa de democracia representativa, estão enfeitiçados pela narrativa em osmose da Rede Globo, e estão fazendo festa porque o Congresso Nacional aprovou a famigerada Reforma Trabalhista.

Muitos ainda não entenderam a gravidade da situação, e estão comemorando por exemplo o fim do imposto sindical. Simplesmente não compreenderam que se já era difícil estabelecer regras mais claras para o “Trabalho Decente” com a existência da intermediação política dos sindicatos, imagine agora que a relação de negociação será diretamente entre o patrão e o empregado!

Em que situação mesmo um patrão que faz de tudo para retirar direitos e diminuir salários vai negociar com seus empregados individualmente, pensando em melhorar suas condições salariais e melhorar as condições de trabalho, sabendo que a lei bastante diáfana diz que ele pode fazer o que quiser com seu empregado, que com medo de perder seu emprego, numa sociedade suja por downsizing, vai ter que baixar a cabeça?

Estamos mesmo vivendo atualmente sob o signo da servidão voluntária de Etiennie de La Boétie, numa verdadeira sociedade de mentecaptos formados pela opinião da imprensa tradicional, que comercializa as informações que devem ser repassadas para seu público. Por isso, que por mais que pesquisas de opinião apresentem dados estarrecedores e escandalosos de impopularidade de Michel Temer, mesmo assim ele aprovará qualquer coisa que se apresente no Congresso Nacional.

Para os incautos e ignorantes mentecaptos que reproduzem que o contraponto construído em torno da Reforma Trabalhista é coisa de sindicalistas, um aviso vem sendo dado nas entrelinhas, que cegos como estão ainda enxergaram, de que não estamos vivendo em contos de fadas, onde todos os jardins são verdes e coloridos, em que todas as crianças são brancas e bem vestidas, e adequadamente bem nutridas.

Da mesma forma que enfeitiçados foram para as ruas imitando a classe média alta desse país, para “babar” ódio contra Dilma Rousseff e depois com “cara de paisagem” se arrependeram, não demorará muito e veremos os mentecaptos tentando construir aparelhos privados para ocupar as ruas em protesto contra a semi-escravidão à vista que estão apoiando, porque sindicatos eles poderão não ter mais para organizar o povo.

Como a história é a prova dos noves, e como o conceito ainda incompreendido do eterno retorno de Nietzsche sempre surge no caminho de todos, veremos...!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Grande oportunidade: Inscrições abertas para o Fundo Socioambiental Caixa

Por Genaldo de Melo A Caixa Econômica Federalestá com inscrições abertas para oFundo Socioambiental Caixa – FSA Caixa, que apóia projetos socioambientais voltados ao desenvolvimento integrado e sustentável para a população de baixa renda. O financiamento varia de 200 mil a 1 milhão de reais. São dois os editais abertos no momento para o FSA Caixa: Desenvolvimento e Cidadania; e Energias Renováveis e Recursos Hídricos. No edital de Desenvolvimento e Cidadania serão selecionados 20 projetos voltados à promoção socioeconômica com foco em saúde, educação, inclusão produtiva e promoção da cidadania, que tenham como finalidade a erradicação da pobreza, inclusão social e econômica, promoção da justiça, da dignidade e da qualidade de vida, implementados por organizações da sociedade civil sem fins lucrativos que atuem junto a grupos e comunidades em situação de vulnerabilidade social. O prazo para inscrição nesse edital é dia 11 de julho. Já no edital de Energias Renováveis e R…

Lula foi inocentado

Por Genaldo de Melo Recentemente o jornalista José Roberto Guzzo, colunista da revista Veja, escreveu um artigo intitulado “É só explicar”, cobrando indignado que Lula deveria aproveitar apenas quinze minutos para explicar sobre o polêmico apartamento que por “convicção" setores do Ministério Público Federal insistem na tese de que foi matéria de propina dada pela empresa OAS ao mesmo.
Interessante é que pelo que sabemos Lula já gastou uma carga de centenas e centenas de quinze minutos explicando que o polêmico apartamento não lhe pertence, e de todos os modos tenta explicar juridicamente esse fantoche político, mas tanto o Ministério Público quanto a mídia do Jornalismo de propaganda política continua insistindo nesse assunto.
Agora realmente o que causa um pouco de indignação é que as testemunhas de acusação que apresentaram seus depoimentos hoje (21/11) ao MPF, absolutamente todas são unânimes em dizer que não podem incriminar Lula, porque elas mesmas não negociaram nada disso em…

O desespero da Globo com seu circo de horrores

Por Genaldo de Melo A Rede Globo de Comunicações, que passou os quinze dias que antecederam o tão badalado depoimento de Lula ao juiz Sérgio Moro, por causa de um triplex, que até agora ninguém mostrou de fato nenhum documento do mesmo no nome dele, e do mesmo modo não comprovou que ele ganhou o mesmo como forma de propina, literalmente entrou em desespero. Interessante é que o tríplex entrou no imposto de renda da OAS, e D. Marisa entrou com um processo judicial para receber sua cota parte de volta, quando desistiu do mesmo, que era de R$ 209 mil em 2009 e hoje é de R$ 300,8 mil (o processo está na 34ª Vara Cível).
A Globo utilizou ao modo de Goebbels o discurso de que Lula poderia, aliás, teria que ser preso ali mesmo em Curitiba, até mesmo com um provável desacato ao juiz, mas como Lula não foi preso porque pelo visto o apartamento não é mesmo dele, partiu para um ataque tão violento, que não se pode dizer que está mais praticando jornalismo.
Do momento do depoimento até agora, quase …