Cinco idiotices ouvidas em defesa da reforma trabalhista

Por Genaldo de Melo
Definitivamente a grande maioria dos trabalhadores brasileiros não entendeu ainda o que aconteceu com a aprovação da Reforma Trabalhista recentemente pelo Congresso Nacional. Os 120 pontos estratégicos aprovados que acabaram definitivamente com a Consolidação das Leis Trabalhistas, não é realmente do conhecimento da população, simplesmente porque a mesma não leu o texto aprovado pelos deputados e senadores.

Trabalhadores assalariados que não leram nada sobre o assunto por si mesmo, estão repetindo como papagaios que são o que a imprensa tradicional que apoiou a famigerada Reforma está repassando como a “modernização” das relações trabalhistas.


Esses trabalhadores vão descobrir a crueldade que o Congresso Nacional fez na prática daqui a dois anos, porque nunca ninguém viu patrão defender interesses de seus empregados, nunca ninguém patrão ser “bonzinho” com trabalhador. 

Reproduzo abaixo o excelente texto de Ana Roxo no site Nocaute para que todos entendam algumas falácias idiotas que estão sendo reproduzidas até mesmo por desavisados, que reproduzem o que os verdadeiros interessados dizem sobre a famigerada Reforma Trabalhista aprovada, e até mesmo ver o que acontece com a senadora Marta Suplicy que já defendeu as mulheres, e agora diz que mulheres grávidas trabalhando em situações insálubres é empoderamento.

Cinco idiotices ouvidas em defesa da reforma trabalhista (Ana Roxo - Nocaute)


Cinco idiotices ouvidas em defesa da reforma trabalhista.
Número um. Dita por um empreseco, porque empresário é o Joesley, não é esse. “Você não sabe como é difícil sustentar dez famílias”. Uma frase muito engraçada porque a gente não sabe se ele está falando da poligamia, porque não foi esta a reforma, da lei de matrimônio no Brasil, ou se ele acha realmente que ele é responsável pelo sustento de dez famílias, e não a força de trabalho que o trabalhador vende para ele. Realmente, a gente não sabe se é uma questão matrimonial ou trabalhista. O que já denota bastante idiotice.
Frase dois. “Ah, se você não está feliz com o seu trabalho, é só negociar. Ou então, vai embora e procura outro”. É, realmente, porque com 14 milhões de desempregados, está fácil negociar, tendo em vista que “bom, se você não gostou, vai embora e eu contrato o próximo miserável que estiver louco por um emprego”. Aliás, quem acha que é fácil negociar, aconselho ver o clássico infantil norte-americano, que é o Dino da Silva Sauro.
“Se você for um bom funcionário, seu patrão não vai te demitir, ele vai te valorizar”. Olha, isso serve, em geral, para cargos executivos, cargos que exigem terceiro grau e cargos específicos. Porque, realmente, como que você vai “varrer a rua muito melhor do que o outro” não existe. Em casos executivos, eu queria dizer inclusive que as pessoas não falam nem que tem patrão. Tem chefe. E em geral chefe também é assalariado.
Esta frase eu adoro porque ela é bem feminista. “Trabalhar grávida em condições insalubres pode ser empoderador para a mulher”. Oi, Marta. Nós, que crescemos vendo você na TV Mulher, achamos que o seu clone Marta Suplício estava representando melhor a gente. Até porque, importante é empoderar a mulher desse jeito, não é mudar as mentalidades, achando que a mulher que tem direito à licença maternidade é menor ou menos do que um homem.
Este cinco é um resumo maravilhoso, que é bom a gente falar em voz alta para a gente entender como não faz sentido o pensamento desses capitalistas sem capital. “Todos são corruptos. Eu quero todos presos. Eu não tenho ladrão de estimação, mas eu acho que essa decisão que eles tomaram, sem consentimento e sem a participação popular, portanto, sem a minha participação e sem a participação dos trabalhadores, é boa para os trabalhadores”. Amigo, isto não tem sentido, querido. Eu detesto dizer isto, porque é um pouco maldição, mas né, a gente conversa daqui a dois anos. Não preciso falar 20. A gente conversa daqui a dois anos.

Comentários