Pular para o conteúdo principal

Deputado baiano não quer seu partido como barriga de aluguel para os outros

Por Genaldo de Melo
Ilustração vetorial de tesoura
A brutalidade política em certas personalidades parece que não deixa de ser uma marca nem mesmo em momentos de adversidades, que não se cabe fazer isso para não se perder pontos e espaços importantes no mundo político.

Mesmo com todos os problemas que Geddel Vieira Lima enfrenta com a justiça brasileira por causa da famosa Operação Cui Bono, parece que seu irmão o deputado federal baiano, Lúcio Vieira Lima, não consegue se adaptar à realidade dos fatos, em não querer abandonar os costumes.

Mesmo vendo o projeto pensado durante muito tempo para que Geddel pudesse finalmente chegar a uma cadeira no Senado Federal, escorrendo pelos ralos da história, ele parece que não gostou de ouvir notícias da imprensa tradicional de que dois proeminentes quadros que são seus aliados poderiam se filiar ao seu PMDB para ser candidato ao Senado.

Bateu forte! Pelo visto deve está tão forte politicamente que não aceita outros senão aqueles que provavelmente devem receber ordens políticas. Trata-se do prefeito de Feira de Santana, José Ronaldo, e do deputado federal, atual Ministro da Secretaria de Governo, Antonio Imbassahy.

Segundo o deputado federal Lúcio Vieira, o PMDB que ele coordena junto com o irmão na Bahia não é barriga de aluguel para resolver os problemas de outros partidos. Parece que o deputado está muito forte mesmo para não querer quadros do quilate desses homens de oposição a Rui Costa na Bahia.

Como a história é a prova dos nove, e tem sido cruel para alguns quadros do mundo político com muitos votos, mas que rejeitam os votos dos outros em seus espaços, somente ela é que poderá dá a resposta. Lógico, não esquecendo que ele é aliado do atual presidente, Michel Temer!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Grande oportunidade: Inscrições abertas para o Fundo Socioambiental Caixa

Por Genaldo de Melo A Caixa Econômica Federalestá com inscrições abertas para oFundo Socioambiental Caixa – FSA Caixa, que apóia projetos socioambientais voltados ao desenvolvimento integrado e sustentável para a população de baixa renda. O financiamento varia de 200 mil a 1 milhão de reais. São dois os editais abertos no momento para o FSA Caixa: Desenvolvimento e Cidadania; e Energias Renováveis e Recursos Hídricos. No edital de Desenvolvimento e Cidadania serão selecionados 20 projetos voltados à promoção socioeconômica com foco em saúde, educação, inclusão produtiva e promoção da cidadania, que tenham como finalidade a erradicação da pobreza, inclusão social e econômica, promoção da justiça, da dignidade e da qualidade de vida, implementados por organizações da sociedade civil sem fins lucrativos que atuem junto a grupos e comunidades em situação de vulnerabilidade social. O prazo para inscrição nesse edital é dia 11 de julho. Já no edital de Energias Renováveis e R…

Lula foi inocentado

Por Genaldo de Melo Recentemente o jornalista José Roberto Guzzo, colunista da revista Veja, escreveu um artigo intitulado “É só explicar”, cobrando indignado que Lula deveria aproveitar apenas quinze minutos para explicar sobre o polêmico apartamento que por “convicção" setores do Ministério Público Federal insistem na tese de que foi matéria de propina dada pela empresa OAS ao mesmo.
Interessante é que pelo que sabemos Lula já gastou uma carga de centenas e centenas de quinze minutos explicando que o polêmico apartamento não lhe pertence, e de todos os modos tenta explicar juridicamente esse fantoche político, mas tanto o Ministério Público quanto a mídia do Jornalismo de propaganda política continua insistindo nesse assunto.
Agora realmente o que causa um pouco de indignação é que as testemunhas de acusação que apresentaram seus depoimentos hoje (21/11) ao MPF, absolutamente todas são unânimes em dizer que não podem incriminar Lula, porque elas mesmas não negociaram nada disso em…

O desespero da Globo com seu circo de horrores

Por Genaldo de Melo A Rede Globo de Comunicações, que passou os quinze dias que antecederam o tão badalado depoimento de Lula ao juiz Sérgio Moro, por causa de um triplex, que até agora ninguém mostrou de fato nenhum documento do mesmo no nome dele, e do mesmo modo não comprovou que ele ganhou o mesmo como forma de propina, literalmente entrou em desespero. Interessante é que o tríplex entrou no imposto de renda da OAS, e D. Marisa entrou com um processo judicial para receber sua cota parte de volta, quando desistiu do mesmo, que era de R$ 209 mil em 2009 e hoje é de R$ 300,8 mil (o processo está na 34ª Vara Cível).
A Globo utilizou ao modo de Goebbels o discurso de que Lula poderia, aliás, teria que ser preso ali mesmo em Curitiba, até mesmo com um provável desacato ao juiz, mas como Lula não foi preso porque pelo visto o apartamento não é mesmo dele, partiu para um ataque tão violento, que não se pode dizer que está mais praticando jornalismo.
Do momento do depoimento até agora, quase …