Pular para o conteúdo principal

Exclusivo: Começa a se desmoronar a farsa da Lava Jato e do juiz Sérgio Moro

Por Genaldo de Melo
Há algum tempo que uma grande maioria de representantes legítimos do judiciário brasileiro vem desconfiando de que o juiz Sérgio Moro, coordenador da Operação Lava Jato, sempre vem trabalhando se colocando acima das instâncias superiores, ou seja, a revelia do próprio Tribunal Superior Federal, principalmente no exagero das prisões preventivas e delações parciais.

Do mesmo modo, grande parcela da sociedade brasileira vem desconfiando de que a famosa Operação coordenada pelo juiz de Curitiba, não tem nada que possa dizer que pode combater a corrupção como um todo, mas ela vem servido apenas como instrumento político para eliminar da política brasileira apenas uma força política, que nesse caso é PT.

Desde que começaram a surgir escândalos que envolvem membros de partidos de direita, como membros do PSDB, de Aécio Neves, DEM de Rodrigo Maia, e do PMDB do Presidente da República, que Sérgio Moro tem sido esquecido aos poucos pela imprensa tradicional, que criou a imagem dele como um herói a ser cultuado pelos brasileiros.

Agora aos poucos coisas estranhas começam a serem reveladas, e pelo visto a única saída dele é prender Lula sem provas, porque com tanta celeuma em torno do nome do ex-presidente há mais de três se tivesse algum tipo de prova concreta de crime cometido, há muito que Lula já estaria na cadeia.

Reproduzo abaixo o artigo de Joaquim de Carvalho, do Diário do Centro do Mundo, para que se compreenda como essa trama montada não para de fato combater a corrupção, mas para servir de instrumento político, começa a ser desvendada, e que pode desmoralizar o juiz de Curitiba.

Exclusivo: Advogado grampeado por Moro conta como Lava Jato nasceu fora da lei. Por Joaquim de Carvalho - DCM


O advogado que teve o sigilo telefônico quebrado em 2006, na origem da investigação que resultou na Lava Jato, disse hoje ao DCM que a operação não resiste a uma verificação séria de legalidade.
“Interceptaram uma conversa minha com um cliente, o que é a violação de um direito constitucional, e investigaram José Janene, que era meu cliente, sem terem poderes para isso. Janene era deputado federal e quem tinha que investiga-lo é o Supremo Tribunal Federal”, afirmou o advogado Adolfo Gois, de Londrina, na primeira entrevista que concede sobre o caso.
Gois advogou para Janene durante muitos anos, inclusive quando o deputado federal foi acusado de envolvimento no mensalão, em entre 2005 e 2006.
O advogado defendia os parentes e funcionários de Janene acusados de envolvimento com a lavagem dos recursos de caixa 2.
Nas conversas sobre esses fatos que o advogado teve com funcionários de Janene, a Polícia Federal descobriu que Alberto Youssef era doleiro do deputado federal.
Mas, em vez de remeter o caso para o Supremo, continuou a investigar.
Investigou, mas ninguém foi julgado.
“Toda hora, chamavam meus clientes para depor e eu não sabia que estava sendo grampeado. Soube em 2016, quando o advogado de Paulo Okamotto (presidente do Instituto Lula) me procurou para falar sobre o inquérito lá de trás. Ele tinha tido acesso a alguns documentos da Polícia Federal que eu não tinha visto, e encontrou os relatórios que mostravam as minhas conversas com meus clientes”, afirmou.
O advogado também considera muito estranho como os inquéritos foram parar nas mãos do juiz Sérgio Moro.
“Quem cuidava desses inquéritos era outro juiz, o doutor Nivaldo Brunoni, e eu nunca entendi como saíram da mão dele e foram para as de Sérgio Moro, que, aliás, nem era um juiz tão brilhante assim. Mais tarde é que ele virou uma unanimidade nacional, e eu vi que ninguém teve coragem de verificar o que ele exatamente fez para assumir a investigação toda”, declarou.
Segundo Adolfo Gois, não havia nenhuma relação dos fatos investigados em 2006 com a Petrobras.
“Era o mensalão”, insiste.
Os clientes dele não foram denunciados, e ele deixou o caso depois que Janene morreu, em 2010.
“Em 2014, vejo que o Sérgio Moro começa a prender todo mundo e descubro que estava relacionado com a investigação lá atrás. Como ele fez isso? É só analisar os documentos para ver que forçaram a barra para que ele se tornasse o juiz competente para todos os casos. Pela lei, não podia assumir tudo isso”, afirmou.
“Mas eu acho que a culpa maior nem é dele. É das instâncias superiores, que não tiveram coragem de barrar o que Moro vinha fazendo – só agora é que algumas decisões do juiz da 13ª Vara Federal de Curitiba começam a ser revistas, como a que absolveu João Vaccari Neto, ex-tesoureiro do PT, que havia sido condenado por Moro sem provas.
No meio jurídico, circulou a informação de que o juiz Sérgio Moro divulgaria hoje a sentença no processo em que o ex-presidente Lula é acusado de receber um tríplex da empreiteira OAS como propina por contratos da Petrobras.
Até agora, nada.
Mas a expectativa é que a sentença saia a qualquer momento, e o juiz condene o ex-presidente, embora não haja uma única prova de que o apartamento do Guarujá pertença a Lula ou a sua família.
Pelo contrário.
As provas existentes no processo mostram que o apartamento nunca deixou de pertencer à empreiteira.
E Lula é credor de mais de R$ 200 mil da OAS e de sua antecessora no empreendimento, a Bancoop, valor que Marisa Letícia, mulher do ex-presidente, pagou por uma cota do condomínio.
O que leva à expectativa de condenação é o envolvimento demonstrado por Moro no processo e as declarações que já deu, sendo identificado como adversário de Lula.
Moro e Lula foram retratados na capa da revista Veja como atletas de luta livre, preparados para um confronto no ringue.
É a percepção pública da Lava Jato: Moro x Lula.
Se deixar de condenar o ex-presidente, Sérgio Moro passará a imagem de que perdeu a luta.
Se condenar, como é provável, ficará bem com seus seguidores, mas sairá com a imagem queimada no meio jurídico.
Passado esse ambiente de vale tudo, quando as instâncias superiores do Judiciário se dispuserem a analisar os abusos cometidos, o advogado Adolfo Gois é uma personalidade a ser chamada.
“Tenho muitos documentos, juntados no processo, que mostram que Moro nunca poderia ser o juiz da Lava Jato”, afirmou.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Grande oportunidade: Inscrições abertas para o Fundo Socioambiental Caixa

Por Genaldo de Melo A Caixa Econômica Federalestá com inscrições abertas para oFundo Socioambiental Caixa – FSA Caixa, que apóia projetos socioambientais voltados ao desenvolvimento integrado e sustentável para a população de baixa renda. O financiamento varia de 200 mil a 1 milhão de reais. São dois os editais abertos no momento para o FSA Caixa: Desenvolvimento e Cidadania; e Energias Renováveis e Recursos Hídricos. No edital de Desenvolvimento e Cidadania serão selecionados 20 projetos voltados à promoção socioeconômica com foco em saúde, educação, inclusão produtiva e promoção da cidadania, que tenham como finalidade a erradicação da pobreza, inclusão social e econômica, promoção da justiça, da dignidade e da qualidade de vida, implementados por organizações da sociedade civil sem fins lucrativos que atuem junto a grupos e comunidades em situação de vulnerabilidade social. O prazo para inscrição nesse edital é dia 11 de julho. Já no edital de Energias Renováveis e R…

Lula foi inocentado

Por Genaldo de Melo Recentemente o jornalista José Roberto Guzzo, colunista da revista Veja, escreveu um artigo intitulado “É só explicar”, cobrando indignado que Lula deveria aproveitar apenas quinze minutos para explicar sobre o polêmico apartamento que por “convicção" setores do Ministério Público Federal insistem na tese de que foi matéria de propina dada pela empresa OAS ao mesmo.
Interessante é que pelo que sabemos Lula já gastou uma carga de centenas e centenas de quinze minutos explicando que o polêmico apartamento não lhe pertence, e de todos os modos tenta explicar juridicamente esse fantoche político, mas tanto o Ministério Público quanto a mídia do Jornalismo de propaganda política continua insistindo nesse assunto.
Agora realmente o que causa um pouco de indignação é que as testemunhas de acusação que apresentaram seus depoimentos hoje (21/11) ao MPF, absolutamente todas são unânimes em dizer que não podem incriminar Lula, porque elas mesmas não negociaram nada disso em…

O desespero da Globo com seu circo de horrores

Por Genaldo de Melo A Rede Globo de Comunicações, que passou os quinze dias que antecederam o tão badalado depoimento de Lula ao juiz Sérgio Moro, por causa de um triplex, que até agora ninguém mostrou de fato nenhum documento do mesmo no nome dele, e do mesmo modo não comprovou que ele ganhou o mesmo como forma de propina, literalmente entrou em desespero. Interessante é que o tríplex entrou no imposto de renda da OAS, e D. Marisa entrou com um processo judicial para receber sua cota parte de volta, quando desistiu do mesmo, que era de R$ 209 mil em 2009 e hoje é de R$ 300,8 mil (o processo está na 34ª Vara Cível).
A Globo utilizou ao modo de Goebbels o discurso de que Lula poderia, aliás, teria que ser preso ali mesmo em Curitiba, até mesmo com um provável desacato ao juiz, mas como Lula não foi preso porque pelo visto o apartamento não é mesmo dele, partiu para um ataque tão violento, que não se pode dizer que está mais praticando jornalismo.
Do momento do depoimento até agora, quase …