Sem reagir a nada os brasileiros já são motivo de piada no resto do mundo

Por Genaldo de Melo
Nesses tempos recentes está acontecendo tanta coisa estranha com nosso país, que por mais que peguemos nosso teclado para escrever para demonstrar para os leitores que eles precisam ler mais sobre conjuntura política e econômica desse país do que lerem apenas reportagens policiais e esportivas, que mesmo assim a gente não está conseguindo convencer.

O povo ficou tão bestializado e tão anestesiado que não reage a nada, e o governo Michel Temer governando apenas para poucos empresários (falo poucos, porque muitos descobrirão depois a falsidade das reformas), que tudo parece mesmo uma piada como estão no resto todos rindo de nós brasileiros.

E punhaladas começaram a vim contra o povo. Foram reformas perigosas que serão desmascaradas depois, é aumento de gasolina, é distribuição de rios de dinheiros para amigos políticos quando se fala em contingenciamento e ajuste fiscal, e agora vem aí a reforma tributária, que deve aumentar impostos para pobres e para a classe média, e provavelmente diminuir a carga tributária dos ricos.

Vou reproduzir o excelente texto de Gregório Duvuvier, publicado na Folha de São Paulo, para que possamos também rir um pouco de nós mesmos, que não estamos reagindo, e quem reage mesmo que com a opinião não está alcançando os resultados desejados, porque o povo não reage a nada de Michel Temer como reagiu com Dilma Rousseff. Parece que o satanás dele está sendo mais forte do que o Cristo do povo!

Foi golpe, mas foi top (por Gregório Duvivier)


O Brasil precisa urgente parar de brigar com essa coisa de: “Foi golpe ou não foi golpe?”. A gente precisa falar a verdade. Foi golpe? Foi. Teve crime de responsabilidade? Não. Mas foi merecido? Foi. Mais que isso: foi top? Foi.
Pensa bem: agora você não precisa mais dar folga pra sua funcionária grávida que trabalha em ambiente insalubre. É disso que o Brasil precisava pra economia deslanchar. Agora vai, Brasil! Por isso que eu digo: esse foi o golpe mais top do planeta.
Se esse golpe fosse um casaco, seria de cachemira. Se fosse uma moto, seria uma Harley. Se fosse uma bebida, esse golpe piscaria. Quem disse foi meu amigo Magal: foi golpe, mas foi top.
Foi golpe, mas ainda se pode cometer um belo crime à luz do dia. Aecinho pediu R$ 2 milhões e continua solto. Perrella também. Os helicópteros de cocaína continuam voando pra cima e pra baixo. Até o Rocha Loures, o homem da mala, continua solto. Todo o mundo com a boca na botija e fazendo a festa.
Ou seja: foi golpe, mas foi sussa. O que não quer dizer que tudo seja permitido. Também não é assim. Dilma foi afastada e Lula condenado. Ou seja: foi golpe, mas foi topzêra: acabou a farra do lulo-petismo no Brasil. Foi golpe, mas foi mara. Foi golpe, mas a nossa bandeira jamais será vermelha. Foi golpe, mas Lula vai ser preso amanhã.
Foi golpe, mas passou. Temer instalou um misturador de vozes no Planalto e agora pode falar sobre o que quiser com quem quiser. Ufa. Um presidente ouvido pela polícia no Brasil não dura uma semana. E tudo bem que foi golpe. Mas já deu. Foi golpe, mas tá bom. Parou.
Foi golpe, mas foi pica das galáxias. Acabou a frescura na Amazônia. Não que tivesse muita frescura antes. Mas agora liberou o Jamanxim e legalizou a grilagem. Tudo nosso. Foi golpe, mas foi nosso.
Foi golpe, mas foi patrão. Teve PEC do Teto, reforma da Previdência, reforma trabalhista, mas ninguém mexeu no nosso auxílio-moradia, no auxílio-toga, na pensão das filhas solteiras, ninguém resolveu impostar dividendos nem grandes fortunas, nem ninguém inventou de taxar igreja. Hashtag gratidão. Foco, força e fé. Foi golpe, mas foi Deus. Foi golpe, mas tá amarrado em nome de Jesus. Foi golpe, mas foi dez, Crivella dez. Agora vai.
Foi golpe, mas foi show: a bolsa subiu, o dólar baixou. Ou seja: tudo o que o Brasil precisava era de um golpinho de vez em quando. E quem não gostou que faça o seu próprio golpe.
Fonte: FSP, 24/07/2017

Comentários