Pular para o conteúdo principal

A oferta de marcas renovadas dos partidos políticos para enganar o povo

Por Genaldo de Melo
Uma nova modalidade de safadeza está acontecendo no mundo político no Brasil, e poucas pessoas estão atentas para isso por causa do forte ingrediente do personalismo na política. São os partidos políticos que para limpar a sujeira de suas roupas velhas, para fazer com que os cidadãos pensem que não estão votando mais em partidos fisiologistas e recheados de corruptos, estão mudando de denominação.

Ao tentar demonizar os partidos políticos de esquerda, especialmente o PT, para tirar do poder os grupos políticos mais alinhados com a população como um todo, e não com apenas 1% dos mais ricos do país, a imprensa tradicional não avaliou corretamente que o que estava fazendo era exatamente despir politicamente os partidos políticos conhecidos por existirem pautados na sujeira que a própria política proporciona aos menos sérios.

E o que aconteceu todo sabe muito bem, pois apesar de se ter derrotado o próprio PT nas últimas eleições municipais, fez com esse partido começasse de novo a crescer e outros partidos conhecidos da direita brasileira começassem a regredir, a diminuir de tamanho. E aí não teve saída a não ser começar a mudar de nome.

Pensam os dirigentes desses partidos que imitando as marcas de produtos que ocupam o mercado, e quando perdem espaço criam outra denominação e logomarca e logo voltam a ganhar de novo espaço, seus partidos podem seguir a mesma linha que tudo pode ser resolvido. O problema é a grande parcela da população que não vota em marca, a não ser os eleitores carimbados do PT e do PSDB, partidos com linhas ideológicas bem definidas na mentalidade dos brasileiros.

Mas como alguns políticos brasileiros com mandatos trabalham politicamente levando em consideração que o eleitor brasileiro é ignorante, começaram a colocar em prática tal conceito de mercado em seus partidos políticos. Então já estão aí na praça para o consumo novos produtos políticos, que são os partidos Livres, Podemos, Avante, Patriota e Mude. Ninguém sabe dizer ainda é se isso vai ter algum efeito político, já que a grande maioria dos cidadãos não vota realmente em partidos, mas em nomes e em processos claramente sensacionalistas.

Interessante é que o novo Livres não passa de um produto antigo criado há 22 anos atrás com o nome de PSL (Partido Social Liberal); o novo Podemos que já levou o famoso vira-folha Romário e o Senador Álvaro Dias, é o antigo PTN (Partido Trabalhista Nacional), criado em 1997; o partido Avante é o antigo PTdoB (Partido Trabalhista do Brasil), criado em 1994; o agora famoso partido de Bolsonaro é o Patriota, antigo Partido Ecológico Nacional; e para melhorar a imagem pública o DEM (grupo político mais antigo de todos, que já mudou quatro vezes de nome, criado em 1965) pelo visto vai ser chamado de Mude (Movimento de Unidade Democrática).

Pelo visto as velhas aves de rapina querem se passar de novos produtos de consumo da “novíssima política” brasileira, e enganar de novo os cidadãos com discursos talvez novos, mas a prática todo sabe como será, porque serpente venenosa não deixa de morder! E vida que segue!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A manipulação grosseira da Globo do Dia do Trabalho

Por Genaldo de Melo Dificilmente assisto a Rede Globo, porque além de não ter mais paciência, não concordo com a manipulação que ela faz com suas edições políticas contra a esquerda brasileira, e hoje definitivamente contra a democracia brasileira.
Mas confesso que ontem resolvi acompanhar o Jornal Nacional para ver que tipo de grosseria jornalística ela poderia fazer com esse Dia do Trabalho, em que parcela do povo ocupou às ruas em defesa de Lula e da democracia.
Simplesmente vergonhoso seu jornalismo da obediência, pois utilizou a maior parte do noticiário para sensacionalizar e sensibilizar a população sobre o incêndio em São Paulo, e manipulou sua edição com imagens que não mostraram a verdade das ruas no dia do trabalhador.
Não que não seja importante noticiar o incêndio do prédio paulista, mas porque descaradamente usou abusivamente do fato para esconder o óbvio de que os brasileiros ocuparam em massa as ruas do Brasil em defesa de Lula e em defesa da democracia.
Nos fatos ficou cla…

ACM Neto pode não ser mais candidato nas próximas eleições na Bahia

Por Genaldo de Melo Reza a cantilena popular que para bom entendedor meia palavra basta, de modo que não precisa ser muito inteligente ou até mesmo conhecer os bastidores do mundo político, para saber do dilema existencial por qual passa o prefeito de Salvador, ACM Neto, em torno da perigosa decisão que precisa tomar logo, porque o tempo como ele pensa e verbaliza não é tão grande assim, para se lançar como o nome das oposições ao governo do Estado da Bahia nessas eleições vindouras.
Basta somente dialogar com os fatos e analisar mais friamente as próprias palavras do prefeito em entrevista que concedeu na abertura do carnaval da capital baiana para se chegar a dolorosa e cruel conclusão de que ACM Neto não tem tanta certeza assim de uma provável vitória.
ACM Neto verbalizou nas entrelinhas que a decisão não é tão fácil assim como pensam seus aliados, até mesmo porque em se lançando candidato a governador e perdendo as eleições, ele ficará quatro anos sem mandato e sem a possibilidade e …

Sem Lula cidadãos conscientes continuam preferindo Manuela

Por Genaldo de Melo Caso não haja a possibilidade de Lula ser candidato à Presidente da República, muitos cidadãos brasileiros conscientes da importância de um representante que tenha mais a cara do povo brasileiro, e não o espectro dos interesses internacionais, ficarão órfãos para ter que escolher entre os postulantes de centro e de esquerda que estão se colocando a disposição das urnas.
Todos os nomes colocados até o momento que poderiam substituir Lula nas urnas não conseguiram ainda atingir os dois dígitos nas pesquisas eleitorais. Entre os mais bem colocados estão Ciro Gomes (PDT) e Joaquim Barbosa (este colocado aqui por ser provável postulante do “PSB”, mas muito complicado ainda do ponto de vista ideológico). Ainda em processo de construção da imagem estão Manuela D‘Ávila (PCdoB) e Guilherme Boulos (PSOL).
Em relação a Joaquim Barbosa, rumores dão conta que os verdadeiros socialistas estão se remoendo ainda para ter que aceitar aquele sujeito estranho, com mais interesse nos EUA…