Pular para o conteúdo principal

Enquanto as ruas continuarem vazias Temer será presidente

Por Genaldo de Melo
Chocando a sociedade brasileira, que no seu conjunto vem peremptoriamente dizendo nas entrelinhas das pesquisas de opinião que não aceitam mais esse governo medíocre e incompetente para a administração, competente apenas para fazer política em prol de si mesmo, Michel Temer mesmo na corda bamba ficou de novo rindo dos cidadãos brasileiros com o aval de 263 deputados federais, que sem compromisso nenhum deu as costas de novo para o povo.

Como já tinha dito antes, assim Michel Temer não sairá do Palácio do Planalto antes de 2018, por razões que vão além da vontade soberana do povo brasileiro, porque existem regras constitucionais que devem ser cumpridas, e ele como um bom constitucionalista que é sabe mexer nas peças certas para não perder a qualidade de Presidente da República, que conseguiu através de um assalto exatamente porque as regras constitucionais assim o permitiram.

As regras constitucionais possibilitam que Michel Temer, por ter sido vice-presidente de Dilma Rousseff ser o atual presidente, e utilizar politicamente a máquina pública de que dispõe para fazer exatamente política para se manter. E como temos um Congresso formado por indivíduos que sabem exatamente como funciona a mentalidade política dos brasileiros, pouco se importam com a imagem pública deles associada a um presidente denunciado por corrupção e em baixa popularidade na margem de erro.

Os deputados federais que apoiaram Michel Temer na sua narrativa de presidente votaram a favor do relatório aprovado na Comissão de Constituição e Justiça não porque Michel Temer é um articulador e um bom político, eles votaram porque levam em consideração a certeza de que no outubro de 2018, dos recursos que receberam em emendas orçamentárias, uma boa parte será exatamente para de novo comprar seus mandatos de quem acha que política é somente as eleições como coisa em si, e inclusive se esquece depois em quem votou.

Outro fator que faz com que Michel Temer fique até 2018, mesmo sangrando como um animal no abate é a ausência de Sociedade Civil organizada no Brasil, ou seja, somente quem poderia convencer aos deputados de que Temer deve deixar em paz os brasileiros seriam as vozes das ruas. Mas estas não existem já comprovado pelos fatos recentes de ruas vazias, e festejos com uísques envelhecidos no Palácio do Jaburu. Então sem pessimismo, não vai adiantar nada para derrubar Michel Temer se o povo continuar apenas assistindo a Rede Globo e se lamentando a cada vitória dele.

Enquanto o povo continuar sendo esse bárbaro sem direção e sem saber da força exata que tem, Michel Temer vai continuar até mesmo o momento em que correr o risco de não ser aceito nem mesmo pelos seus pares. Tomara que o povo mesmo sem ocupar as ruas para derrubar esse governo não esqueça das atrocidades que estão acontecendo e não eleja de novo um rebanho de canalhas em 2018. Não é pessimismo, é analise correta da realidade!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Grande oportunidade: Inscrições abertas para o Fundo Socioambiental Caixa

Por Genaldo de Melo A Caixa Econômica Federalestá com inscrições abertas para oFundo Socioambiental Caixa – FSA Caixa, que apóia projetos socioambientais voltados ao desenvolvimento integrado e sustentável para a população de baixa renda. O financiamento varia de 200 mil a 1 milhão de reais. São dois os editais abertos no momento para o FSA Caixa: Desenvolvimento e Cidadania; e Energias Renováveis e Recursos Hídricos. No edital de Desenvolvimento e Cidadania serão selecionados 20 projetos voltados à promoção socioeconômica com foco em saúde, educação, inclusão produtiva e promoção da cidadania, que tenham como finalidade a erradicação da pobreza, inclusão social e econômica, promoção da justiça, da dignidade e da qualidade de vida, implementados por organizações da sociedade civil sem fins lucrativos que atuem junto a grupos e comunidades em situação de vulnerabilidade social. O prazo para inscrição nesse edital é dia 11 de julho. Já no edital de Energias Renováveis e R…

Lula foi inocentado

Por Genaldo de Melo Recentemente o jornalista José Roberto Guzzo, colunista da revista Veja, escreveu um artigo intitulado “É só explicar”, cobrando indignado que Lula deveria aproveitar apenas quinze minutos para explicar sobre o polêmico apartamento que por “convicção" setores do Ministério Público Federal insistem na tese de que foi matéria de propina dada pela empresa OAS ao mesmo.
Interessante é que pelo que sabemos Lula já gastou uma carga de centenas e centenas de quinze minutos explicando que o polêmico apartamento não lhe pertence, e de todos os modos tenta explicar juridicamente esse fantoche político, mas tanto o Ministério Público quanto a mídia do Jornalismo de propaganda política continua insistindo nesse assunto.
Agora realmente o que causa um pouco de indignação é que as testemunhas de acusação que apresentaram seus depoimentos hoje (21/11) ao MPF, absolutamente todas são unânimes em dizer que não podem incriminar Lula, porque elas mesmas não negociaram nada disso em…

O desespero da Globo com seu circo de horrores

Por Genaldo de Melo A Rede Globo de Comunicações, que passou os quinze dias que antecederam o tão badalado depoimento de Lula ao juiz Sérgio Moro, por causa de um triplex, que até agora ninguém mostrou de fato nenhum documento do mesmo no nome dele, e do mesmo modo não comprovou que ele ganhou o mesmo como forma de propina, literalmente entrou em desespero. Interessante é que o tríplex entrou no imposto de renda da OAS, e D. Marisa entrou com um processo judicial para receber sua cota parte de volta, quando desistiu do mesmo, que era de R$ 209 mil em 2009 e hoje é de R$ 300,8 mil (o processo está na 34ª Vara Cível).
A Globo utilizou ao modo de Goebbels o discurso de que Lula poderia, aliás, teria que ser preso ali mesmo em Curitiba, até mesmo com um provável desacato ao juiz, mas como Lula não foi preso porque pelo visto o apartamento não é mesmo dele, partiu para um ataque tão violento, que não se pode dizer que está mais praticando jornalismo.
Do momento do depoimento até agora, quase …