Pular para o conteúdo principal

Na última chance de Marina Silva ela queimou as caravelas

Por Genaldo de Melo
Nas eleições presidenciais do ano que vem, provavelmente aparecerão além dos nomes que estão bem colocados nas pesquisas que estão sendo realizadas, nos primeiros dois lugares polarizando Lula e Bolsonaro, também aparecerão aventureiros com o discurso de que têm a solução para salvar a pátria, mas que quem conhece os meandros do mundo político sabe muito bem que tudo não passa de mais do mesmo.

Agora uma coisa tem intrigado bastante quem acompanhou as duas últimas eleições presidenciais. Na realidade trata-se de como vai ser a participação da candidata derrotada por duas vezes seguidas, Marina Silva (REDE). Depois das eleições de 2014, ela num mesmo silêncio continuou sobre os problemas do Brasil, como fez entre 2010 até as proximidades das eleições de 2014.

Marina Silva tornou-se uma oportunista política para muitos que sabem o que significa a responsabilidade de ter mais de vinte milhões de votos numa eleição presidencial para ficar literalmente calada, e quando aparece simplesmente coloca os seus liderados contra o processo democrático para desaparecer de novo e ficar de longe vendo o circo pegar fogo.

Segundo o fundador da REDE, o antropólogo e cientista político Luís Eduardo Soares, que saiu do partido discordando da mudança repentina de Marina Silva em relação ao impeachment de Dilma Rousseff, ela simplesmente “queimou as caravelas” assumindo o mesmo discurso que pregava contra quando defendia a “nova política”. E com isso perdeu o timing que poderia ter para ser de fato a líder capaz de ser a próxima Presidente da República.

Mesmo ainda intrigando o mundo político, o silêncio de Marina Silva diante da grave crise que enfrentamos, o seu desaparecimento que como líder de mais de vinte milhões votos não poderia acontecer jamais, e a sua eterna ambiguidade política fizeram com que ela perdesse a capacidade de articular eleitores de centro, perdeu eleitores da esquerda que poderia muito bem capturar para si nesse momento, bem como perdeu também a capacidade de aglutinar em torno de si os eleitores evangélicos, que não são pouca coisa hoje no país.

Dialogando mais friamente com os elementos de como a política acontece, Marina Silva perdeu a grande oportunidade que teve na vida, porque quando apoiou a derrubada de Dilma Rousseff, que desestabilizou politicamente o país deixando a organização estranha que é o PMDB tomar o poder, e diante de todos esses problemas esconde-se para querer aparecer somente em meados de junho do ano que vem com as convenções partidárias, definitivamente seu capital eleitoral se esvaziou.

O grande perigo de tudo isso, pode ser a possibilidade desastrosa de grande parte de seus eleitores caírem no colo de um aventureiro que sempre ganhou dinheiro sem trabalhar, efetivamente sem produzir absolutamente nada para nosso país, que é a figura impoluta do engomadinho João Dórea. E mais perigoso ainda seria seus eleitores apoiarem um candidato que defende idéias ultrapassadas que foram utilizadas desastrosamente nos anos trinta e quarenta da Alemanha e da Itália do século passado, como Bolsonaro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A manipulação grosseira da Globo do Dia do Trabalho

Por Genaldo de Melo Dificilmente assisto a Rede Globo, porque além de não ter mais paciência, não concordo com a manipulação que ela faz com suas edições políticas contra a esquerda brasileira, e hoje definitivamente contra a democracia brasileira.
Mas confesso que ontem resolvi acompanhar o Jornal Nacional para ver que tipo de grosseria jornalística ela poderia fazer com esse Dia do Trabalho, em que parcela do povo ocupou às ruas em defesa de Lula e da democracia.
Simplesmente vergonhoso seu jornalismo da obediência, pois utilizou a maior parte do noticiário para sensacionalizar e sensibilizar a população sobre o incêndio em São Paulo, e manipulou sua edição com imagens que não mostraram a verdade das ruas no dia do trabalhador.
Não que não seja importante noticiar o incêndio do prédio paulista, mas porque descaradamente usou abusivamente do fato para esconder o óbvio de que os brasileiros ocuparam em massa as ruas do Brasil em defesa de Lula e em defesa da democracia.
Nos fatos ficou cla…

ACM Neto pode não ser mais candidato nas próximas eleições na Bahia

Por Genaldo de Melo Reza a cantilena popular que para bom entendedor meia palavra basta, de modo que não precisa ser muito inteligente ou até mesmo conhecer os bastidores do mundo político, para saber do dilema existencial por qual passa o prefeito de Salvador, ACM Neto, em torno da perigosa decisão que precisa tomar logo, porque o tempo como ele pensa e verbaliza não é tão grande assim, para se lançar como o nome das oposições ao governo do Estado da Bahia nessas eleições vindouras.
Basta somente dialogar com os fatos e analisar mais friamente as próprias palavras do prefeito em entrevista que concedeu na abertura do carnaval da capital baiana para se chegar a dolorosa e cruel conclusão de que ACM Neto não tem tanta certeza assim de uma provável vitória.
ACM Neto verbalizou nas entrelinhas que a decisão não é tão fácil assim como pensam seus aliados, até mesmo porque em se lançando candidato a governador e perdendo as eleições, ele ficará quatro anos sem mandato e sem a possibilidade e …

Sem Lula cidadãos conscientes continuam preferindo Manuela

Por Genaldo de Melo Caso não haja a possibilidade de Lula ser candidato à Presidente da República, muitos cidadãos brasileiros conscientes da importância de um representante que tenha mais a cara do povo brasileiro, e não o espectro dos interesses internacionais, ficarão órfãos para ter que escolher entre os postulantes de centro e de esquerda que estão se colocando a disposição das urnas.
Todos os nomes colocados até o momento que poderiam substituir Lula nas urnas não conseguiram ainda atingir os dois dígitos nas pesquisas eleitorais. Entre os mais bem colocados estão Ciro Gomes (PDT) e Joaquim Barbosa (este colocado aqui por ser provável postulante do “PSB”, mas muito complicado ainda do ponto de vista ideológico). Ainda em processo de construção da imagem estão Manuela D‘Ávila (PCdoB) e Guilherme Boulos (PSOL).
Em relação a Joaquim Barbosa, rumores dão conta que os verdadeiros socialistas estão se remoendo ainda para ter que aceitar aquele sujeito estranho, com mais interesse nos EUA…