O incrível país que se apresenta ao mundo como outro mundo

Por Genaldo de Melo
O mundo está chocado com o que está acontecendo no Brasil. Ninguém está realmente entendendo como uma nação inteira não reage aos desmandos que estão acontecendo sob a tutela do Palácio do Planalto, coordenado por um Presidente da República denunciado por corrupção passiva.

O mundo está chocado e com razão, pois em nenhuma nação do mundo poderia jamais acontecer o que está a acontecer por essas bandas tupiniquins. Vivemos de fato um estado de exceção, uma espécie de ditadura disfarçada, aonde ninguém consegue reagir porque por enquanto não existem meios legais para tal.

Como não acreditar que tem coisa errada além da conta para que os brasileiros possam pelo menos começar a reagir nas ruas? Como não acreditar que tem realmente uma organização estranha que tomou o poder no Brasil, com apoio do judiciário que se politizou nos últimos tempos em apoio ao atual mandatário da República?

O mais impopular Presidente da República está utilizando a prerrogativa da instituição “Presidência da República” para se manter politicamente em seu posto para tomar decisões impopulares, e ninguém, absolutamente ninguém reage para a perplexidade do resto do mundo.

Os últimos acontecimentos é de estarrecer. Um ministro do Supremo Tribunal Federal se encontra na calada da noite no Palácio do Jaburu com o mandatário do Tietê, e sai com dois discursos para a imprensa. O primeiro de que estava discutindo a reforma política, e o segundo de que o atual Procurador-geral da República (por duas ocasiões seguidas) é desqualificado para o cargo que exerce.

Depois também na calada da noite, sem agendamento, o mandatário do Tietê recebe a futura Procuradora-geral da República, que não foi a mais votada na lista tríplice eleita pela Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR), e ela sai com o discurso de que foi discutir a posse da mesma.

E nesse mesmo ínterim, o mandatário do Tietê entra com uma solicitação ao STF para colocar em suspeição o atual Procurador-geral, porque ele está cumprindo seu papel, com o discurso de que ele está levando tudo para a questão pessoal.

Não tem como não chocar o mundo tanta falsidade, tanta canalhice política, tanta confusão entre os poderes da República, e tanta falta de reação de um povo que parece enfeitiçado pela imprensa tradicional para esquecer sua capacidade de indignação. É como disse a Jurista, ex-ministra da Justiça da Alemanha e ex-deputada Herta Däubler-Gmelin, em entrevista à DW Brasil, “o Brasil é outro mundo”!

Comentários