Pular para o conteúdo principal

O novo milagre de Michel Temer será o bolso do povo

Por Genaldo de Melo
Michel Temer conseguiu implementar um grande golpe nas contas públicas para barrar a investigação que deveria ser feita pelo STF de ter cometido corrupção passiva. O Governo reclamando publicamente o tempo inteiro de que o país passa por dificuldades financeiras, por isso que se deve a toque de caixa assumir na prática o discurso da austeridade fiscal, retirou dos cofres públicos bilhões e bilhões para distribuir com deputados sem compromisso com a democracia representativa desse país, e quem está pagando a conta é o próprio povo brasileiro.

Conseguiu ficar rindo da cara dos brasileiros que viram as cenas de seu deputado Rocha Loures carregando uma mala de dinheiro com R$ 500 mil, devolvendo depois faltando R$ 35 mil (que também entregou depois à PF), e que viram também a imprensa tradicional esculachá-lo publicamente quando apresentou gravações feitas pelo proprietário da JBS em conversas nada religiosas. Um feito e tanto para quem não tem o mínimo de decoro e de vergonha na cara de boca de envelope amassado!

Porém dos 263 deputados (aliás aves de rapina da coisa pública), muito mais do que a metade faz parte do grupo político dentro do Congresso Nacional denominado de “Centrão”, ou seja, deputados sem muita expressão do ponto de vista político, que se elegem exatamente comprando votos e consciências de quem não sabe nada do mundo político, além da festa da democracia chamada de eleições. Melhor dizendo, Michel Temer comprou deputados na cara grande!

Porém a política feita na base do fisiologismo e clientelismo é uma faca de dois, que fatalmente cortará os pulsos de alguém em um vacilo qualquer. Ou seja, esses deputados viciados em dinheiro público para comprar seus mandatos não serão os mesmos a voltarem de graça em uma próxima votação envolvendo o Governo, ou em nova denúncia de Rodrigo Janot, ou em votação de qualquer outra reforma proposta, como a da previdência ou uma tributária.

Isso significa que Michel Temer terá que escolher de novo com quem estará, ou com seu próprio umbigo ou com o sangue do povo brasileiro. Tudo isso, porque segundo a coluna Painel, da Folha de São Paulo, as planilhas do Governo registram que, agora, o “gado” disponível para votar, por exemplo, a reforma da Previdência tem apenas 150 cabeças, ou seja, que se precisa para aprovar qualquer coisa do governo ter que comprar mais 158 cabeças de deputados (pois domesticar "gado" que pensa é muito difícil!).

E como Michel Temer não está preocupado com o que pensa o povo brasileiro, porque ele não foi votado para ser Presidente, mas recebeu o cargo de presente para diminuir o tamanho do Estado em favor do mercado, todo mundo sabe que vai aparecer dinheiro de novo, e todo mundo também sabe quem é que vai pagar a conta. É conferir a história já que ninguém nesse país ocupa às ruas, pois foram domesticados pela imprensa tradicional para calar diante de todo descalabro!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Grande oportunidade: Inscrições abertas para o Fundo Socioambiental Caixa

Por Genaldo de Melo A Caixa Econômica Federalestá com inscrições abertas para oFundo Socioambiental Caixa – FSA Caixa, que apóia projetos socioambientais voltados ao desenvolvimento integrado e sustentável para a população de baixa renda. O financiamento varia de 200 mil a 1 milhão de reais. São dois os editais abertos no momento para o FSA Caixa: Desenvolvimento e Cidadania; e Energias Renováveis e Recursos Hídricos. No edital de Desenvolvimento e Cidadania serão selecionados 20 projetos voltados à promoção socioeconômica com foco em saúde, educação, inclusão produtiva e promoção da cidadania, que tenham como finalidade a erradicação da pobreza, inclusão social e econômica, promoção da justiça, da dignidade e da qualidade de vida, implementados por organizações da sociedade civil sem fins lucrativos que atuem junto a grupos e comunidades em situação de vulnerabilidade social. O prazo para inscrição nesse edital é dia 11 de julho. Já no edital de Energias Renováveis e R…

Lula foi inocentado

Por Genaldo de Melo Recentemente o jornalista José Roberto Guzzo, colunista da revista Veja, escreveu um artigo intitulado “É só explicar”, cobrando indignado que Lula deveria aproveitar apenas quinze minutos para explicar sobre o polêmico apartamento que por “convicção" setores do Ministério Público Federal insistem na tese de que foi matéria de propina dada pela empresa OAS ao mesmo.
Interessante é que pelo que sabemos Lula já gastou uma carga de centenas e centenas de quinze minutos explicando que o polêmico apartamento não lhe pertence, e de todos os modos tenta explicar juridicamente esse fantoche político, mas tanto o Ministério Público quanto a mídia do Jornalismo de propaganda política continua insistindo nesse assunto.
Agora realmente o que causa um pouco de indignação é que as testemunhas de acusação que apresentaram seus depoimentos hoje (21/11) ao MPF, absolutamente todas são unânimes em dizer que não podem incriminar Lula, porque elas mesmas não negociaram nada disso em…

O desespero da Globo com seu circo de horrores

Por Genaldo de Melo A Rede Globo de Comunicações, que passou os quinze dias que antecederam o tão badalado depoimento de Lula ao juiz Sérgio Moro, por causa de um triplex, que até agora ninguém mostrou de fato nenhum documento do mesmo no nome dele, e do mesmo modo não comprovou que ele ganhou o mesmo como forma de propina, literalmente entrou em desespero. Interessante é que o tríplex entrou no imposto de renda da OAS, e D. Marisa entrou com um processo judicial para receber sua cota parte de volta, quando desistiu do mesmo, que era de R$ 209 mil em 2009 e hoje é de R$ 300,8 mil (o processo está na 34ª Vara Cível).
A Globo utilizou ao modo de Goebbels o discurso de que Lula poderia, aliás, teria que ser preso ali mesmo em Curitiba, até mesmo com um provável desacato ao juiz, mas como Lula não foi preso porque pelo visto o apartamento não é mesmo dele, partiu para um ataque tão violento, que não se pode dizer que está mais praticando jornalismo.
Do momento do depoimento até agora, quase …