Como se sabe muito bem lugar de juiz não é na política



Por Genaldo de Melo
 
A política como coisa em si é uma arte para poucos que sabem como ela funciona com suas vitórias e suas agruras. São poucos os que se arvoram a transitar no mundo político, porque os caminhos percorridos são todos tortuosos.

Como na política a menor distância não é a linha reta, quem entra nela e não sabe disso corre sérios riscos de ser queimado sem ver o fogo. Nos tempos recentes vimos dois casos interessantes de quem se arvora na política, e tem que tomar a decisão de ou ficar nela ou sair dela, porque ela exige exclusividade.

Trata-se da participação na política de notórios magistrados. No caso o atual governador do Maranhão, Flávio Dino, e do "homem espetáculo" da Rede Globo coordenador da famosa Operação Lava Jato, o juiz Sérgio Moro.

No caso de Flávio Dino, ele largou a magistratura, porque entendeu que lugar de juiz não é na política. Então preferiu a política ao judiciário, e naturalmente tornou-se um dos melhores administradores públicos do Brasil. Venerado politicamente cacifando-se para reeleição simbólica num Estado que sempre foi dominado por uma única família durante décadas. 

No caso de Sérgio Moro a mosca azul lhe mordeu a alma, e não entendendo nada de política assumiu o papel de ser instrumento de forças políticas que por quatro eleições seguidas foram derrotadas nas urnas. E vem se dando bastante mal.

Sérgio Moro mexeu num vespeiro de abelhas tocando fogo, e se esqueceu que as abelhas sempre reconstroem suas colmeias. Atingindo em cheio em seu intento está a caminho de tirar do jogo eleitoral de 2018 a maior liderança da história recente da política brasileira, que é Lula.

Porém como ele não é político e continua juiz, vai se queimar aos poucos sem enxergar o fogo, e quem é da política vai continuar fazendo política com fogo para queimar. E como ele sem ser político tornou-se adversário político de forças políticas, já começou a receber os primeiros ataques.

Para terminar logo isso, o auxílio-moradia que ele recebe trabalhando e tendo residência fixa em Curitiba (moralmente ruim para quem discursa moralismo), e o subfaturamento de um apartamento triplex, também em Curitiba, já são suas primeiras dores de cabeça por causa da política. Provavelmente não ficará só nisso, porque política tem revanche!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A manipulação grosseira da Globo do Dia do Trabalho

ACM Neto pode não ser mais candidato nas próximas eleições na Bahia

Sem Lula cidadãos conscientes continuam preferindo Manuela