Pular para o conteúdo principal

As futuras gerações educadas para não serem livres

Por Genaldo de Melo
Recentemente a sociedade brasileira foi pega de surpresa com a publicação de uma reportagem na Folha de São Paulo, afirmando que o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) elaborou uma pesquisa em que seus resultados apresentam incontestavelmente que o ensino de filosofia e sociologia prejudica a aprendizagem dos estudantes em matemática.

Talvez numa cruzada para acabar com a possibilidade dos estudantes brasileiros serem mais críticos em relação ao processo de desmonte do Estado brasileiro, assim como vem fazendo os defensores da tal Escola Sem Partido e os novos burocratas do Ministério da Educação (MEC), querem, porque querem, acabar com disciplinas que podem fazer com que nossas gerações futuras tenham cidadãos que pensem por si mesmos.

Comparar o ensino de filosofia e sociologia, aonde nossos estudantes podem ter um nível intelectual mais avançado, com o ensino de matemática, que em muitas das vezes somente vem servindo como parâmetro de desempenho em concursos públicos, é uma leviandade além do que pode ser tolerado desses novos representantes políticos, que querem coordenar o poder no Brasil sem o voto consciente do povo.

E para mais surpresa geral, o coordenador da pesquisa, que também é diretor adjunto do IPEA, foi Adolfo Sachsida, que foi até janeiro passado o coordenador econômico da campanha à presidência da República, de nada mais nada menos do que Jair Bolsonaro. Não se podia esperar muito de um sujeito que defende com unhas e dentes pautas liberais como o Estado Mínimo, o porte de armas, o cerceamento do direito ao aborto, e que afirmou peremptoriamente que o nazismo era um regime socialista e que Hitler era de esquerda.

Defender a tese de acabar com o ensino de filosofia e sociologia nas escolas públicas, porque está atrapalhando o ensino da matemática, é tentar condenar as futuras gerações a não serem empreendedores como outros povos do mundo. Ou seja, é querer criar uma nova geração de cidadãos incapazes de atos reflexivos, incapazes de construir processos empreendedores que melhorem nossa sociedade, e incapazes de serem livres. 

O que o Estado brasileiro deveria fazer para ser em pouco tempo uma nação mais rica cultural e intelectualmente falando, seria contratar os 33.560 professores de matemática, e os 17 mil docentes de filosofia, para resolver o déficit desses profissionais, conforme estudo apresentado em 2015 pelo Ministério da Educação, e não procurar inventar mentiras de que filosofia e sociologia atrapalhando a matemática, atrapalha o aprendizado dos estudantes.

Os próprios resultados do ENEM desmentem os resultados da pesquisa de Sachsida do IPEA, pois a média das notas dos estudantes nas últimas quatro avaliações na área de Matemática e suas Tecnologias cresceu de 481 pontos em 2014 para 518,5 em 2017, enquanto que a área de Ciências Humanas e suas Tecnologias, onde  estão as disciplinas de filosofia e de sociologia,  diminuiu de 546 pontos para 519,3 em 2017.

Dizer que é mais importante os alunos aprenderem a matemática do que serem livres pensadores é uma leviandade cultural de gente que não quer povo, quer mesmo é massa de manobra e novos escravos para serem empregados daqueles que têm a possibilidade e o dinheiro para estudar a própria filosofia e a sociologia. Essa pesquisa parece que tem um só fundamento: justificar a retirada dessas disciplinas do Ensino Médio.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A manipulação grosseira da Globo do Dia do Trabalho

Por Genaldo de Melo Dificilmente assisto a Rede Globo, porque além de não ter mais paciência, não concordo com a manipulação que ela faz com suas edições políticas contra a esquerda brasileira, e hoje definitivamente contra a democracia brasileira.
Mas confesso que ontem resolvi acompanhar o Jornal Nacional para ver que tipo de grosseria jornalística ela poderia fazer com esse Dia do Trabalho, em que parcela do povo ocupou às ruas em defesa de Lula e da democracia.
Simplesmente vergonhoso seu jornalismo da obediência, pois utilizou a maior parte do noticiário para sensacionalizar e sensibilizar a população sobre o incêndio em São Paulo, e manipulou sua edição com imagens que não mostraram a verdade das ruas no dia do trabalhador.
Não que não seja importante noticiar o incêndio do prédio paulista, mas porque descaradamente usou abusivamente do fato para esconder o óbvio de que os brasileiros ocuparam em massa as ruas do Brasil em defesa de Lula e em defesa da democracia.
Nos fatos ficou cla…

ACM Neto pode não ser mais candidato nas próximas eleições na Bahia

Por Genaldo de Melo Reza a cantilena popular que para bom entendedor meia palavra basta, de modo que não precisa ser muito inteligente ou até mesmo conhecer os bastidores do mundo político, para saber do dilema existencial por qual passa o prefeito de Salvador, ACM Neto, em torno da perigosa decisão que precisa tomar logo, porque o tempo como ele pensa e verbaliza não é tão grande assim, para se lançar como o nome das oposições ao governo do Estado da Bahia nessas eleições vindouras.
Basta somente dialogar com os fatos e analisar mais friamente as próprias palavras do prefeito em entrevista que concedeu na abertura do carnaval da capital baiana para se chegar a dolorosa e cruel conclusão de que ACM Neto não tem tanta certeza assim de uma provável vitória.
ACM Neto verbalizou nas entrelinhas que a decisão não é tão fácil assim como pensam seus aliados, até mesmo porque em se lançando candidato a governador e perdendo as eleições, ele ficará quatro anos sem mandato e sem a possibilidade e …

Sem Lula cidadãos conscientes continuam preferindo Manuela

Por Genaldo de Melo Caso não haja a possibilidade de Lula ser candidato à Presidente da República, muitos cidadãos brasileiros conscientes da importância de um representante que tenha mais a cara do povo brasileiro, e não o espectro dos interesses internacionais, ficarão órfãos para ter que escolher entre os postulantes de centro e de esquerda que estão se colocando a disposição das urnas.
Todos os nomes colocados até o momento que poderiam substituir Lula nas urnas não conseguiram ainda atingir os dois dígitos nas pesquisas eleitorais. Entre os mais bem colocados estão Ciro Gomes (PDT) e Joaquim Barbosa (este colocado aqui por ser provável postulante do “PSB”, mas muito complicado ainda do ponto de vista ideológico). Ainda em processo de construção da imagem estão Manuela D‘Ávila (PCdoB) e Guilherme Boulos (PSOL).
Em relação a Joaquim Barbosa, rumores dão conta que os verdadeiros socialistas estão se remoendo ainda para ter que aceitar aquele sujeito estranho, com mais interesse nos EUA…