Pular para o conteúdo principal

As futuras gerações educadas para não serem livres

Por Genaldo de Melo
Recentemente a sociedade brasileira foi pega de surpresa com a publicação de uma reportagem na Folha de São Paulo, afirmando que o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) elaborou uma pesquisa em que seus resultados apresentam incontestavelmente que o ensino de filosofia e sociologia prejudica a aprendizagem dos estudantes em matemática.

Talvez numa cruzada para acabar com a possibilidade dos estudantes brasileiros serem mais críticos em relação ao processo de desmonte do Estado brasileiro, assim como vem fazendo os defensores da tal Escola Sem Partido e os novos burocratas do Ministério da Educação (MEC), querem, porque querem, acabar com disciplinas que podem fazer com que nossas gerações futuras tenham cidadãos que pensem por si mesmos.

Comparar o ensino de filosofia e sociologia, aonde nossos estudantes podem ter um nível intelectual mais avançado, com o ensino de matemática, que em muitas das vezes somente vem servindo como parâmetro de desempenho em concursos públicos, é uma leviandade além do que pode ser tolerado desses novos representantes políticos, que querem coordenar o poder no Brasil sem o voto consciente do povo.

E para mais surpresa geral, o coordenador da pesquisa, que também é diretor adjunto do IPEA, foi Adolfo Sachsida, que foi até janeiro passado o coordenador econômico da campanha à presidência da República, de nada mais nada menos do que Jair Bolsonaro. Não se podia esperar muito de um sujeito que defende com unhas e dentes pautas liberais como o Estado Mínimo, o porte de armas, o cerceamento do direito ao aborto, e que afirmou peremptoriamente que o nazismo era um regime socialista e que Hitler era de esquerda.

Defender a tese de acabar com o ensino de filosofia e sociologia nas escolas públicas, porque está atrapalhando o ensino da matemática, é tentar condenar as futuras gerações a não serem empreendedores como outros povos do mundo. Ou seja, é querer criar uma nova geração de cidadãos incapazes de atos reflexivos, incapazes de construir processos empreendedores que melhorem nossa sociedade, e incapazes de serem livres. 

O que o Estado brasileiro deveria fazer para ser em pouco tempo uma nação mais rica cultural e intelectualmente falando, seria contratar os 33.560 professores de matemática, e os 17 mil docentes de filosofia, para resolver o déficit desses profissionais, conforme estudo apresentado em 2015 pelo Ministério da Educação, e não procurar inventar mentiras de que filosofia e sociologia atrapalhando a matemática, atrapalha o aprendizado dos estudantes.

Os próprios resultados do ENEM desmentem os resultados da pesquisa de Sachsida do IPEA, pois a média das notas dos estudantes nas últimas quatro avaliações na área de Matemática e suas Tecnologias cresceu de 481 pontos em 2014 para 518,5 em 2017, enquanto que a área de Ciências Humanas e suas Tecnologias, onde  estão as disciplinas de filosofia e de sociologia,  diminuiu de 546 pontos para 519,3 em 2017.

Dizer que é mais importante os alunos aprenderem a matemática do que serem livres pensadores é uma leviandade cultural de gente que não quer povo, quer mesmo é massa de manobra e novos escravos para serem empregados daqueles que têm a possibilidade e o dinheiro para estudar a própria filosofia e a sociologia. Essa pesquisa parece que tem um só fundamento: justificar a retirada dessas disciplinas do Ensino Médio.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOVO IMBECIL COLETIVO

Por Genaldo de Melo Alguns trabalhadores/as brasileiros, especialmente no funcionalismo público que forma grande parcela da classe média, aos poucos estão perdendo uma batalha, sem ao menos ter a consciência de que estão num campo de batalha. Aliás, alguns estão tomando cerveja e batendo palmas a cada punhalada que recebem de uma estrutura de poder que defende os bilionários do país. Foram expostos a um processo de contaminação da imbecilização coletiva do “jornalismo da obediência” para guerrear contra todas as estruturas que durante décadas não fizeram outra coisa senão lutar pelos direitos mais elementares dos mesmos, que são os movimentos sociais e sindicais. Não entenderam que o poder é sempre uma disputa para ver quem controla o Estado e as riquezas do país. As riquezas e o dinheiro do Estado sempre vão pertencer àqueles que controlam as estruturas de poder, que definem as regras de funcionamento das coisas na economia. O atual ministro da Economia não iria deixar de ganhar mai

INTELIGÊNCIA ROUBADA

Por Genaldo de Melo Ontem encontrei um velho conhecido que é advogado, e o homem estava revoltado com Lula e o PT, porque segundo ele a saída da Ford do país não passa de culpa dessa turma da esquerda que roubou tanto “trilhões” da Petrobrás e quebrou o Brasil. Necessariamente é difícil você perder tempo ou querer compreender uma mentalidade imbecil como essa por algumas razões elementares. A principal delas é que o homem é reconhecido advogado, ou seja, faz parte da superioridade bem informada de que falava Adorno e Horkheimer. Ao observar a indignação desse homem tão “inteligente” começo a achar que estamos vivendo numa nova era de bestializados modernos. Não foi nem Lula nem o PT que trouxeram a Ford para o Brasil, e nem deram R$ 20 bilhões de subsídios, para agora ter culpa de alguma coisa depois de tantos anos fora do poder? Só pode ser mesmo burro...! Uma coisa que impressiona nesses novos “intelectuais” modernos é a falta de noção das coisas. Como pode Lula e o PT roubarem

CULTURA